quarta-feira, 15 de julho de 2009

Persigo a incoerência de seus passos. Abusa a forma com que teus olhos caminham, derramando lápides pesadas, assombrando minha mente inquieta.

O perigo é me acostumar a te perder por alguns minutos. E hoje você não estará mais aqui. Mas continuarei preparando a casa pra você chegar. Olhando pela janela, escondido, vigiando o portão se abrir, torcendo pra que você ache que eu não me importo, procurando teus anseios em cada gole, em todo veneno que cuspi.

Decreto luto a mim mesmo, pois renasço depois do ponto final. Em cada palavra que ficou, sou eu morto.

7 comentários:

  1. Adorei seus textos , lindos *---*

    ResponderExcluir
  2. É maravilhosa a leitura de teus textos..

    ^^

    ResponderExcluir
  3. "Perigo me acostumar a te perder por alguns minutos..."
    Louco isso de não querermos perder alguém que não raras vezes já sabemos que perdemos...
    Tenho muito prazer em ler tudo que você escreve...

    beijos inquietantes...

    ResponderExcluir
  4. O medo da perda é muito grande, afinal é ruim perder algo que queremos muito.

    ResponderExcluir
  5. Cheio de sentimento e revolta, mas a vida é assim, sempre com altos e baixos...

    ResponderExcluir
  6. Vim agradecer!

    Tão correndo... rs

    .Volto mesmo.

    ResponderExcluir
  7. eita texto....dificil de se querer..querendo....eita texto....querendo...não querendo...eita sentimento..sendo..não sendo...eita..portão..abrindo-se...fechando-se...

    Suas linhas me depertou varias sentimentos aos mesmos tempo...


    Parabens...

    Ademerson Novais de Andrade

    ResponderExcluir